10 boybands brasileiras para relembrar (ou conhecer)


  • 09/07/2020 - 16:55
  • Compartilhe:

Garotos jovens, normalmente na casa dos 20 e poucos anos, que forma grupos vocais de música pop, que normalmente dançam ou possuem algum apelo forte para o público adolescente, como boa aparência e músicas românticas. Popularmente, esse tipo de grupo musical ficou conhecido como boybands, boygroups, ou em bom português, grupos de garotos. Se pensarmos na indústria da música norte-americana ou europeia, podemos lembrar de vários nomes que foram lançados nesse formato: Jackson 5, Backstreet Boys, New Kids On The Block, N’SYNC, One Direction, dentre vários outros. Se pensarmos na indústria do k-pop, a lista é ainda mais extensa. Mas hoje vamos falar sobre boybands do nosso Brasil que fizeram sucesso entre os anos 80 e o início dos anos 2000. Vamos lá?

Paquitos

Os Paquitos foram a boyband lançada por Xuxa Meneghel, inspirada no sucesso do grupo formado pelas assistentes de palco da apresentadoras, as Paquitas. Assim como sua vertente feminina, os Paquitos auxiliavam Xuxa durante o “Xou da Xuxa” e fizeram sucesso com suas músicas, em que cantavam e dançavam. Os Paquitos chegaram a lançar um disco, em 1990, com destaque para as músicas “Paquidance” e“Muito Prazer”, que eles apresentavam durante o “Xou da Xuxa” e em outros programas de TV da época. O LP rendeu um disco de ouro para os Paquitos, mas o grupo terminou após o fim do “Xou”, em 1992. A formação mais famosa dos Paquitos era composta por Alexandre, Cláudio, Gigio, Marcello e Robson (que foi substituído pelo Yuri quando deixou o grupo). Após o fim do grupo, seguiram na carreira artística Marcelo Faustini (que chegou a atuar em “Malhação”) e Cláudio Heinrich (que também atuou em “Malhação” e protagonizou a novela “Uga Uga”).

Vale lembrar: com o sucesso dos Paquitos, outras apresentadoras infantis seguiram os passos de Xuxa e lançaram grupos de seus assistentes de palco. A Angélica lançou os Angélicos, enquanto a Mara Maravilha lançou os Marotos. Os grupos não fizeram tanto sucesso quanto os assistentes de Xuxa e não chegaram a lançar um disco, mas se apresentaram e participaram de programas de TV:

Br’oz

Formado em 2003 no reality musical “Popstars”, do SBT, o grupo Br’oz era considerada a versão ‘masculina’ do Rouge, que saiu do mesmo programa. Os garotos foram selecionados durante a competição do programa e, ao final, foram escolhidos para formar a então nova boyband brasileira. O grupo lançou dois discos e seu maior sucesso foi a música “Prometida”. Formado por André, Oscar, Matheus, Jhean e Filipe, o grupo chegou ao fim em 2005 e os rapazes seguiram em projetos individuais, com destaque para Filipe, que se tornou o vocalista do grupo de pagode Os Travessos. Em 2016, o grupo se reuniu para para uma turnê e chegaram a lançar músicas inéditas e a reunião durou até 2018. Em maio desse ano, o grupo se reuniu novamente para uma live para incentivar o isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus.

Polegar

O Polegar foi um dos grupos lançados pela Promoart, empresa de gerenciamento de artistas musicais do saudoso apresentador Gugu Liberato. Em sua primeira, e mais famosa, formação o grupo era formado por Alex (baixo e vocais), Rafael (guitarra e vocais), Marcelo (guitarra), Alan (teclados) e Ricardo (bateria). O Polegar começou sua carreira em 1988 e foi um dos fenômenos de popularidade entre os jovens no Brasil no final dos anos 80 e início dos anos 90 e lançou três álbuns de sucesso durante esse período. Dentre as músicas mais conhecidas do grupo estão “Dá Pra Mim”, “Ando Falando Sozinho” e ‘Sou Como Sou”. O Polegar se reuniu algumas vezes para aparições na TV. Dentre os integrantes, quem mais permaneceu sob os holofotes após o fim do grupo foi o guitarrista e vocalista Rafael Ilha, normalmente devido a polêmicas em decorrência de sua dependência química. Recuperado, em 2018 Rafael se tornou destaque na mídia novamente, dessa vez por sua participação no reality show “A Fazenda”, da qual saiu como o grande vencedor daquele ano.

Dominó

Outro grupo de sucesso da empresa de Gugu Liberato, o Dominó começou sua carreira em 1984 formado por Afonso, Nill, Marcos e Marcelo, inspirado pelo sucesso dos porto-riquenhos do Menudo. “Ela Não Gosta de Mim”, “Companheiro”, “Jura de Amor” e “P da Vida” foram alguns dos maiores sucessos do grupo, que chegou a lançar disco em espanhol, com uma legião de fãs no Brasil e no mercado latino. O grupo perdeu popularidade após a saída de Nill, em 1989, e durante os anos 90 o grupo teve diferentes formações, com novos integrantes e sem a gerência de Gugu. No entanto, o grupo só voltou a ter destaque com o lançamento do single “Baila Baila Comigo”, de 1997, que se tornou hit no Brasil e no exterior. Dentre diferentes formações, o Dominó encerrou suas atividades oficialmente em 2009. Durante os anos 90, fizeram parte do Dominó o ator e apresentador Rodrigo Faro e o ator Rodrigo Phavanello.

KLB

Sucesso do início dos anos 2000, o trio KLB era formado pelos irmãos Kiko, Leandro e Bruno. O grupo começou sua carreira no ano 2000 e sua primeira apresentação na TV foi no “Domingo Legal”, do SBT. A partir daí, o trio se tornou um fenômeno de vendas, com milhões de cópias vendidas de seu primeiro disco. Dentre os sucessos do KLB, estão “Ela Não Está Aqui”, “A Dor Desse Amor”, “Minha Timidez” e uma versão de “Olhar 43”, sucesso do RPM nos anos 80. Apesar do sucesso, o grupo fez uma pausa na carreira em 2012 para se dedicar a projetos pessoais. Nessa época, a febre KLB já tinha passado e Leandro se dedicava à carreira política. Kiko seguiu na carreira musical enquanto Bruno se tornou lutador de MMA. O grupo se reuniu para comemorar os 15 anos de carreira, em 2015, e planejava uma turnê de celebrativa para este ano, antes do anúncio da pandemia do coronavírus.

Twister

Formada em 1999, o Twister fez sucesso em 2000 com o hit “40 Graus”. Formado por Sander (guitarra e vocais), Leo (baixo), Luciano (teclado), Gilson (bateria) e Alex (guitarra), o grupo chegou a fazer carreira internacional e até a abrir um show do N’SYNC no México. O sucesso foi abalado pela prisão do vocalista Sander, por posse de drogas, o que acarretou na separação do grupo. O Twister chegou a se reunir, mas não recuperou o sucesso que tinha no início dos anos 2000 e não chegou a lançar outro sucesso. O grupo voltou a ser notícia em 2017, quando foi divulgado um vídeo de Sander se apresentando dentro de um vagão de um metrô em São Paulo. Dentre os integrantes, apenas Luciano não seguiu carreira na música.

You Can Dance

Formado nos anos 80 por jovens rapazes moradores do bairro de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, o grupo You Can Dance se tornou popular nos anos 90, como dançarinos do programa “Planeta Xuxa”. O grupo, que costumava se apresentar na atração anterior de Xuxa Meneghel, o “Xuxa Hits”, era formado por Kall, Tom, Kadu e Fly. O primeiro single do grupo, “You Took My Love”, foi composto pelo cantor Latino e produzido pelo DJ Malboro, no estilo dos sucessos da música dance dos anos 90, gênero que predominou nos hits do grupo. O quarteto era famoso por suas coreografias e durou até 2001. Ainda no grupo, Fly se tornou coreógrafo na Globo e hoje também se tornou consultor financeiro. Kall e Kadu seguiram na carreira musical, enquanto Tom abriu uma empresa de festas.

Comando

Mais um grupo formado pela Promoart, de Gugu Liberato. Formado por Bruno, Rodrigo, Fred, Fábio e Sander (sim, o mesmo do Twister), o grupo começou a carreira em 1995 e fez sucesso em programas de TV da época. O maior sucesso foi a música “Vem Falar de Amor”. A carreira do Comando não durou muito e logo os integrantes seguiram projetos individuais. Bruno, que hoje é conhecido por seu sobrenome Belucci, hoje faz parte da dupla sertaneja de sucesso Marcos & Belutti. Sander entrou para o Twister após o fim do Comando e Rodrigo foi para o Dominó. Fábio e Fred seguiram na carreira musical, mas longe dos holofotes.

Bombom

Outro grupo lançado por Gugu Liberato foi o Bombom, formado por Sandro (bateria), Dino (guitarra e vocais), Marcelo (guitarra e vocais) e Paulo (baixo e vocais) no início dos anos 80. O sucesso do Bombom foi “Vamos a La Playa”, de 1984, uma versão da música de mesmo nome da dupla italiana Righeira.

Ciclone

Outro grupo que surgiu na esteira do Menudo foi o Ciclone, grupo carioca formado em 1983. Os rapazes conquistaram sucesso com seus passos coreografados, roupas coloridas e apresentações em programas de auditório. Um dos maiores sucessos do Ciclone foi “Tipo One Way”, música que foi trilha sonora da novela global “A Gata Comeu”. O Ciclone era formado por Coimbra, Ricardo, Eduardo, Sérgio e Marcelo e durou até meados de 1986.