10 coisas que você (provavelmente) não sabia sobre o Grammy


  • 12/03/2021 - 20:37
  • Compartilhe:

Selecionamos 10 curiosidades sobre o Grammy para aquecer para a premiação

Está chegando! Neste domingo (14), acontece a 63ª edição do Grammy Awards, premiação considerada como uma das mais importantes da indústria fonográfica. Promovida pela Academia de Gravação dos Estados Unidos, a premiação é uma das quatro principais do entretenimento estadunidense, ao lado do Oscar (cinema), do Emmy (TV) e do Tony (teatro).

Para os fãs de k-pop, este ano o evento será ainda mais especial: o BTS concorre ao prêmio de “Melhor Performance de Dupla ou Grupo Pop”, com o megahit “Dynamite”, na primeira indicação de um artista de k-pop para o prêmio.

Se esse é um momento marcante para a história do k-pop, não poderíamos deixar passar batida a cerimônia do Grammy deste ano. Para aquecer para o evento, selecionamos 10 curiosidades sobre o prêmio que talvez nem todos conheçam.

Nome

Paul Weston, executivo da Columbia Records e um dos fundadores da Academia de Gravação que é responsável pelo Grammy, disse em 1957 a um jornal que a premiação poderia ter se chamado “Eddie”, em homenagem a Thomas Edison, criador dos fonógrafos de cilindro Edison, primeiro aparelho de gravação e reprodução de sons. Por fim, eles optaram por homenagear o gramofone, criado por Emil Berliner, que tocava sons em discos planos.

Primeira transmissão

A primeira cerimônia de premiação do Grammy aconteceu em 1959, mas a primeira cerimônia televisionada aconteceu apenas na 13ª edição, em 1971, transmitida pela ABC, que teve Simon & Garfunkel como grande vencedor da noite.

Estreia como grande vencedor

O primeiro artista que conseguiu vencer em todas as categorias em um mesmo ano no Grammy foi Christopher Cross. Em 1980, na 23ª edição do evento, o norte-americano abocanhou os quatro prêmios principais da premiação: “Álbum do Ano”, “Gravação do Ano”, “Canção do Ano” e “Artista Revelação”, com seu álbum de estreia “Christopher Cross” e o belíssimo clássico “Sailing”. Depois dele, apenas a jovem cantora Billie Eilish conseguiu repetir esse feito, em 2020, na 63ª edição, com o álbum “When We All Fall Asleep, Where Do We Go?” e o hit “Bad Guy”. Adele também já conseguiu ser premiada nas quatro categorias principais, mas em anos diferentes.

Prêmio revogado

Considerada como a maior fraude da história da indústria da música, a dupla Milli Vanilli ganhou um dos principais prêmios do Grammy, de “Artista Revelação”, em 1990, na 32ª edição. Depois, uma falha técnica no palco revelou que Rob Pilatus e Fab Morvan, os astros do Milli Vanilli, não cantavam suas músicas e apenas dublavam as vozes de outros cantores. O fiasco acabou com a carreira de um dos grandes nomes da época e a comissão do Grammy acabou por revogar o prêmio da dupla por causa da fraude. Até o momento, essa foi a única vez que a Academia de Gravação precisou cancelar um prêmio.

Metal personalizado

As estatuetas em formato de gramofone que simbolizam o prêmio Grammy são feitas de um metal customizado que recebeu o nome de “grammium” (sim, é isso mesmo!). O “grammium” é uma combinação de zinco de marca registrada e uma liga de metal de alumínio, que compõem a estrutura da estatueta, que é banhada em ouro de 24 quilates.

Sem prêmio

Apesar de ser uma das grandes premiações da indústria fonográfica, o Grammy não é o único termômetro do sucesso de um artista. Prova disso é que grandes artistas e alguns nomes lendários da música nunca foram premiados pela Academia de Gravação norte-americana e alguns sequer foram nomeados. ABBA, The Beach Boys, Bob Marley, Diana Ross, Jimi Hendrix, Queen, The Who, Sia e Katy Perry são alguns artistas de sucesso que não foram contemplados pela premiação.

Críticas

Visto que a premiação já deixou de fora alguns dos artistas mais aclamados da história da música, é inevitável que o Grammy seja também alvo de críticas. Premiação de origem estadunidense, uma das principais críticas é o favorecimento para indicação de artistas brancos. Essa crítica voltou à tona recentemente, pela falta de indicações do cantor The Weeknd na cerimônia deste ano, mas infelizmente, ao longo dos anos, o Grammy tem ignorado grandes produções fonográficas de artistas negros. Michael Jackson, Jimi Hendrix, Prince, Bob Marley, Nina Simone são apenas alguns dos artistas que tiveram grandes trabalhos boicotados pela premiação.

Maiores premiados

A prova de que o Grammy precisa expandir suas nomeações para além de artistas brancos e norte-americanos vem dos dois artistas que detém o recorde de maior número de prêmios recebidos em uma única noite. Michael Jackson, um cantor negro, e a banda Santana liderada pelo guitarrista mexicano Carlos Santana, dividem o recorde de artistas que mais receberam prêmios Grammy em uma única noite. Cada um deles levou para casa oito estatuetas em uma única cerimônia: Michael, em 1984, e Santana, em 2000.

Sul-coreanos premiados

O BTS é sim o primeiro artista de k-pop a ser indicado ao Grammy, mas outros sul-coreanos já foram indicados, e já ganharam o prêmio. A primeira foi a soprano Sumi Jo, que venceu como “Melhor Gravação Clássica”, em 1993, com “R. Strauss: Die Frau Ohne Schatten”.

Mas tem brasileiros também

A lista de brasileiros que venceram a premiação norte-americana do Grammy inclui nomes como João Gilberto, Roberto Carlos, Sérgio Mendes, Milton Nascimento, Tom Jobim, Gilberto Gil e Caetano Veloso. Em 2017, o guitarrista Kiko Loureiro, conhecido por seu trabalho com o Angra, se tornou primeiro brasileiro a ser premiado no Grammy por um álbum de uma banda de heavy metal, em “Melhor Performance de Metal”, com a música “Dystopia”, do Megadeth, banda da qual faz parte atualmente.

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático