Em entrevista, grupo de k-pop DONGKIZ diz que se não fosse a pandemia, “viria para o Brasil amanhã mesmo”


  • 30/07/2021 - 17:36
  • Compartilhe:

Em entrevista exclusiva, DONGKIZ falou sobre música nova e interesse em se apresentar no Brasil

O DONGKIZ é um daqueles grupos de k-pop que vale a pena acompanhar. Além de talentosos, os meninos são super divertidos. Quem viu o vídeo dos meninos reagindo a boybands brasileiras sabe que animação é com eles mesmo. Aproveitamos o recente lançamento da música “Crazy Night”, divulgada pelo grupo no início do mês, para conversar mais com os meninos e saber quais são os planos deles para se apresentar no Brasil.

O DONGKIZ tem a formação clássica das boybands, com cinco integrantes. São eles: Won Dae, Munik, Jae Chan, Kyoung Yoon e Jong Hyeong. Os rapazes fizeram sua estreia no k-pop em 2019, com o álbum “DONGKIZ On The Block”, uma brincadeira com o nome da clássica boyband norte-americana New Kids On The Block. Desde sua estreia até hoje, os rapazes, que hoje tem pouco mais de 20 anos, amadureceram junto com seus fãs. “Graças aos nossos fãs, os Dong-ari, que nos dão tanto apoio e amadureceram junto com a gente, acho que conseguimos nos tornar mais confiantes e maduros do que éramos”, acredita Munik.

Apesar de se considerarem mais maduros, os meninos do DONGKIZ continuam expressando sua juventude em suas músicas. “Crazy Night” é o carro-chefe de “Chase Episode 1. Ggum”, novo EP dos meninos. A música, um pop dançante com influências da música eletrônica, ganhou um videoclipe divertido, com toques de psicodelia. “‘Crazy Night’ é como um vilão divertido e travesso”, compara o integrante Kyoung Yoon.

“Com ‘Crazy Night’ é a primeira vez que tentamos um estilo mais animado assim. Todos nós gostamos muito desse estilo, então não é o conceito perfeito para o DONGKIZ? Eu acho que sim!”, diz Jong Hyeong.

Além do estilo pop dançante, os meninos pensam em explorar outros gêneros musicais. O líder do grupo, Wondae diz que gostaria de tentar estilos diferentes como reggae, jazz, R&B e hip-hop. “Quero tentar de tudo!”, diz. Jae Chan também vota a favor do R&B. Já Kyoung Yoon pensou em estilos diferentes: “Eu gostaria de gravar uma música mais romântica, que fizesse nossas vozes soarem mais suaves. E também gostaria de tentar um estilo mais para o rock”. Enquanto isso, o caçula Jong Hyeong quer tentar algo mais próximo da “sofrência”: “Nunca cantamos algo do estilo, mas eu gostaria de cantar algo sobre sofrer após ficar obcecado por um amor”. Munik, sem citar um estilo específico, conta que espera que o grupo possa sempre inovar e mostrar algo diferente para seus fãs.

Mas quem acompanha o k-pop sabe que talento e boas músicas não são, infelizmente, o suficiente para um grupo se destacar e se manter em uma cena tão concorrida. Em um momento em que o k-pop está em evidência mundialmente, perguntamos para o DONGKIZ como eles acham que é possível manter a autenticidade e trazer algo novo para o público. “Eu acho que é a paixão pelo que nós fazemos. Nos esforçamos muito pois amamos o que fazemos e acho que o público percebe isso e corresponde a mesma paixão”, acredita o líder Won Dae.

Para trazer essa autenticidade, além do período de treinamento, que é comum a praticamente todos os grupos do k-pop, os meninos do DONGKIZ trazem uma bagagem de proximidade com a música de antes de sua estreia. Kyoung Yoon aprendeu a tocar guitarra quando fazia parte de bandas de garagem no colégio. “Eu fiz parte da banda ‘Dominant’, no ensino fundamental, e da banda ‘Pentatonic’, no ensino médio. Naquela época, eu me divertia muito com meus colegas. Quando eu estava passando por algo difícil, as músicas de Park Hyo Shin me davam muita força, então acho que me aproximei das músicas dessa forma”, ele relembra. Já Won Dae cantava como tenor no coral do colégio. “(Cantar no coral) me ajudou muito em termos de entender como harmonizar. O coral me trouxe muito conhecimento sobre harmonização para alguém como eu, que não sabia nada sobre isso”, disse o líder do grupo.

Além de “Crazy Night”, o repertório do DONGKIZ traz outras músicas que vale a pena ouvir para se aprofundar no clima de animação e alegria que o grupo transmite. Para conhecer mais o som do grupo, são indispensáveis músicas como “Lupin” ou a divertida “BlockBuster”, que é inspirada no clássico do cinema oitentista “Os Caça Fantasmas”. Se o grupo tem tanto a oferecer para seus fãs, eles lamentam não ter conseguido se apresentar para os Dong-Aris (como são chamados os fãs do DONGKIZ) por causa da pandemia do covid-19. “Desde 2020, temos tido poucas oportunidades para encontrar nossos fãs, já que o número de pessoas que podem participar dos programas musicais e de outras gravações foi restrito. Mas gostaríamos de encontrar o máximo de fãs que conseguirmos por meio de videochamadas e pequenos eventos virtuais. Espero que o coronavírus acabe logo para que possamos nos encontrar cada vez mais”, espera Jae Chan.

As expectativas para as atividades após o fim da pandemia para o DONGKIZ, segundo os integrantes, certamente incluem o Brasil. “Se não fosse pelo coronavírus, iríamos para o Brasil amanhã mesmo para nos apresentar! Iremos nos esforçar muito até o dia que possamos nos ver no Brasil”, promete Jong Hyeong. “Eu fico animado só de pensar em nossos fãs que nos apoiam com tanto amor mesmo de longe, mas quero ir me apresentar para vocês assim que for possível. Iremos levar boas apresentações, então se cuidem, fiquem saudáveis e curtam as músicas do DONGKIZ até lá!”, completa Won Dae.

Munik, que diz sonhar em conhecer o Carnaval do Rio de Janeiro, também promete que “tentará visitar o Brasil logo após o fim da pandemia”. “Eu sei que o Carnaval do Rio é um dos maiores festivais do mundo. Eu quero ir para o Brasil e curtir o Carnaval do Rio!”, diz.

“Nossos queridos Dong-ari do Brasil! Sentimos muito por não poder ter encontrado com vocês ainda por causa do coronavírus. Mas assim que der vamos nos apresentar no Brasil! Cuidem de sua saúde e muito obrigado por sempre nos apoiarem tanto!”, acrescenta Kyoung Yoon, pedindo também para que os fãs ouçam muito a nova música do grupo, “Crazy Night”. “Até lá, fiquem felizes e saudáveis!”, finaliza Jae Chan.

Clique para ler essa e outras entrevistas exclusivas

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático