Entrevista exclusiva: Black Swan fala sobre representatividade, planos para carreira e mais


  • 16/12/2020 - 20:14
  • Compartilhe:

Após estreia, Blackswan se prepara para lançar novo material

O grupo Blackswan não teve uma estreia convencional no k-pop. De cara, o grupo foi apresentado como uma versão “repaginada” do Rania, grupo que foi lançado pela mesma gravadora, a DR Music, anos atrás. Outra novidade: o grupo não teria só asiáticas. Além de integrantes coreanas, o Blackswan apresentou Leia, brasileira e descendente de japoneses, e a senegalesa Fatou. Tudo parecia bem para o grupo que chamou muita atenção internacional, especialmente aqui no Brasil. No entanto, uma polêmica relacionada a uma das integrantes coreanas, Hyemi, abalou o Blackswan pouco tempo depois de seu primeiro lançamento musical. Após a saída de Hyemi do grupo, o Blackswan se prepara agora para seus próximos passos e promete novidades em breve.

Sobre os novos trabalhos, as meninas já pensam em trabalhar algo diferente de “Tonight”, seu primeiro single. “Em ‘Tonight’, por ser um conceito mais ‘sombrio e poderoso’, mostramos mais expressões com olhares fortes, em vez de expressões com sorrisos. Gostaria de da próxima vez podermos fazer um conceito mais alegre, em que possamos sorrir mais”, disse a líder Youngheun. Leia também conta que quer tentar algo mais leve. “Eu queria tentar algo mais suave. Tipo ‘Over & Over’ (música do primeiro álbum do grupo). Estou nesse clima ultimamente”, confessou. Já Judy está buscando inspirações em outro grupo feminino do k-pop: “Gostaria de tentar um conceito parecido com ‘Psycho’, do Red Velvet. Um conceito chique e elegante misturado com algo feminino”. Fatou, por sua vez, foi mais ousada: “Eu amaria tentar algo mais inspirado no hip-hop com uma coreografia bem ‘batidão’. Uma música que mostre nosso ritmo e, acima de tudo, com uma letra empoderada”.

O Blackswan fez sua estreia em outubro com o álbum “Goodbye Rania”. O nome, que dividiu opiniões entre os fãs do grupo, deixa clara a influência do Rania na trajetória das meninas e, ao mesmo tempo, mostra que algo novo está por vir. “Quando pensamos em Rania, pensamos em uma imagem mais sexy. Mesmo dentro deste conceito, elas faziam músicas com estilos bem variados. Fazer com que todas as músicas tenham um pouco da característica do grupo, isso é algo que o Blackswan poderia aprender (com o Rania). Uma diferença do Blackswan é que, assim como o nome diz, temos uma nova imagem diferente. Temos um charme diferente do Rania, então espero que as pessoas continuem nos acompanhando para que possamos mostrá-los”, destacou Youngheun sobre as semelhanças e diferenças do Blackswan com o Rania. “Creio que o Blackswan tenha uma imagem mais ‘forte’ e mais feminina”, acrescentou Judy. Leia, que deixou o Brasil muito jovem para tentar a carreira musical na Coreia, aponta também o aprendizado com o grupo veterano. “Com o Rania, aprendemos que trabalho em equipe é importante para o grupo fluir bem”. Apesar da influência, Fatou deixa claro que o Blackswan tem seu próprio chame: “O Blackswan tem um estilo diferente, uma aura única diferente do Rania, de um jeito mais misterioso”, acredita.

As meninas também mostram que o Blackswan tem seu próprio diferencial em relação a outros grupos. “O diferente do Blackswan em relação a outros grupos é que temos um estilo sexy e claro, temos também a nossa diversidade, já que temos integrantes de países diferentes. Também temos personalidades diferentes”, disse Leia.

A diferença cultural é um dos destaques do Blackswan. Youngheun, como líder, conta como aprendeu a lidar com a pluralidade cultural do grupo. “Por sermos um grupo com nacionalidades bem variadas, no início eu tive um pouco de dificuldade. Pensei muito em como deveria agir frente a pequenos desentendimentos por diferenças culturais. Hoje, quando há alguma situação assim, eu ouço primeiro a opinião das integrantes estrangeiras. Converso em particular com elas para ver o que elas pensam para depois conversarmos todas juntas. No início, passamos por muitas situações assim, por diferença cultural, mas agora somos bem amigas e nos conhecemos bem, o que faz com que todas possamos pensar mais nas outras”, conta.

Em especial, a presença de uma cantora senegalesa, em meio a uma cena dominada por rostos asiáticos, chamou a atenção. Emocionada, Fatou fala sobre a importância da representatividade em um estilo musical que conquista cada vez mais seguidores em todo o mundo. “Eu sempre me sinto extremamente honrada quando ouço as pessoas dizerem que ‘porque tem alguém que se parece comigo no k-pop eu sinto mais esperança em meu sonho’. É muito importante se sentir representado, isso nos dá mais esperança e inspiração. E ser de fato motivo de inspiração para alguém é algo incrível”, confessa. Apesar do apoio dos fãs, Fatou diz que sabe que terá também que enfrentar dificuldades em meio a uma sociedade que ainda não discute abertamente sobre preconceito racial: “Ser a ‘integrante senegalesa do k-pop” é algo que ainda não acredito, para falar a verdade. Eu sou apenas a Fatou e sempre serei. Então é algo que me assusta um pouco pois eu sei que as pessoas vão prestar muita, muita atenção em tudo que eu faço e que vai ter muita gente me julgando porque eu sou a ‘artista negra’ do k-pop. Isso é triste, mas é assim que as coisas são… eu quero trabalhar duro para ser um bom exemplo”.

Outra estrangeira do grupo, a brasileira Leia (cujo nome real é Larissa) também comentou sobre as dificuldades de enfrentar a dura indústria do entretenimento coreano. Leia foi selecionada para ser trainee na Coreia durante uma audição da empresa Pledis Entertainment, casa de grupos como NU’EST e Seventeen. A seleção aconteceu em cidade natal: Curitiba, quando o NU’EST se apresentou por lá, no já distante ano de 2013. Na Coreia desde muito jovem, Leia precisou se esforçar muito até conseguir fazer a sonhada estreia em um grupo de k-pop. “Eu apenas nunca desisti. Mesmo em tempos difíceis, tentei sempre olhar para frente e seguir. Mas a indústria do k-pop é muito difícil em vários aspectos, então você tem que ser forte e se preocupar muito com sua saúde mental”, ponderou.

Apesar das dificuldades, Leia acredita que tem muito a contribuir trazendo o “ritmo brasileiro” para o grupo. “As músicas brasileiras estão em todo lugar. Aqui na Coreia, você pode sempre ouvir bossa nova em cafeterias, mas ultimamente, o funk está na moda também. Se você ouvir a música ‘V’, do Jay Park, você vai perceber isso. Não apenas na música, mas também na dança. Eu quero mostrar tudo isso para as outras integrantes. Elas até já sabem algumas músicas brasileiras”, disse Leia, rindo.

Ritmo e dedicação é algo que Judy entende bem. Talentosa dançarina, ela conta que sonhava em conseguir trabalhar com dança: “Comecei a dançar desde o ensino médio em um grupo de dança da escola. Eu não era tão boa quanto os meus amigos e por isso queria aprender desde o início, de forma profissional. Então, sem pensar duas vezes, fui para uma escola de dança em Seul. Comecei a ter essa paixão pela dança e ficou cada vez mais divertido”.

Apesar do sonho, ela fala também das dificuldades que passou até chegar a se tornar uma artista no k-pop: “Por um tempo, quase desisti porque meu pai era totalmente contra esse caminho e eu também estava um pouco cansada. Mas sempre que fazia outras coisas, eu tinha mais vontade de dançar. Então comecei a dançar por hobby. Isto se tornou uma oportunidade e assim, consegui realizar meu sonho”, disse Judy, que confessa que aprendeu muito e amadureceu com a estreia no grupo.

Fatou também conta que a música sempre foi seu sonho. Antes de fazer sua estreia no grupo, ela trabalhava como modelo internacional, mas sempre sonhando em se dedicar a sua verdadeira paixão. “A música sempre foi minha prioridade. Não foi nada do tipo: ‘ah, vou tentar essa coisa de cantar um pouco’. Sempre foi meu sonho desde que eu era criança, sempre quis fazer música. Então eu conheci o k-pop, quando eu tinha 14 ou 15 anos e desde então estou trabalhando nesse sonho que estou vivendo agora, que é incrível! Então enquanto eu trabalhava como modelo, eu continuava tentando algum jeito de realizar meu sonho. E com muita sorte e esforço eu estou aqui!”, conta.

Agora, o Blackswan se prepara para um novo trabalho e almeja também mostrar um novo lado do grupo. “As nossas integrantes têm bastante carisma em cima do palco, mas ao meu ver, elas têm muita coisa para mostrar até mesmo no dia a dia. Então, se tivermos oportunidade, gostaria de mostrar mais isso para os nossos fãs”, disse a líder Youngheun. “Nós queremos fazer mais programas de variedade para mostrar aos nossos fãs nossos diferentes lados! Também iremos mostrar muito mais conteúdo para que os fãs nos conheçam melhor, então fiquem ligados!”, antecipou Fatou.

“Gostaria de participar do ‘Weekly Idol’ ou ‘MMTG’ para podermos mostrar mais um pouco do Blackswan”, confessou Judy. Leia, por sua vez, foi mais abrangente: “Eu quero tentar de tudo!”, disse, rindo. “Se chegar uma oferta, eu aceito. Eu gosto muito de programas de entretenimento então vou ficar feliz se eu puder participar desse tipo de programa”, confessou.

O Blackswan fez sua estreia recentemente e, mesmo assim, já possui um lugar cativo no coração dos fãs brasileiros. As meninas reconhecem esse apoio com muito carinho. “Somos muito gratas a vocês. Vocês usam o precioso tempo de vocês para nos dar apoio e nos mandar tanto amor. Isso é incrível para mim. Eu quero encontrar vocês logo, quero ver todas as carinhas de vocês. Muito obrigada mais uma vez e eu amo muito, muito, muito vocês!”, disse Fatou.

“Pessoal do Brasil, muito obrigada por todo esse carinho. Quero me encontrar com vocês logo”, agradeceu Youngheun.

“Estou muito triste em não poder me encontrar com vocês! Muito obrigada por, mesmo de longe, dar tanto apoio e amor como se estivessem perto de nós!”, disse Judy. “Estamos passando por um período difícil por causa do covid-19, tenhamos forças! Não deixem de usar máscara e espero que fiquem saudáveis”, ressaltou. “Gostaria de dizer que estamos vivendo dias muito felizes graças a vocês! Espero poder ir o quanto antes para o Brasil para me encontrar com vocês. Quero ver vocês logo, de verdade! Obrigada sempre!”, falou Judy.

“Eu estou muito grata por vocês me apoiarem tanto, mesmo antes de nossa estreia. É muito amor. Quando eu estou triste, só de olhar as mensagens privadas que recebo no Instagram eu já fico feliz. Eu me sinto tão feliz em ver pessoas que compartilham o mesmo sonho que eu. Espero que eu possa ajudar vocês no futuro”, finalizou a caçula Leia.

Conheça mais um pouco sobre as meninas do Blackswan:

Youngheun

26 anos
Sul-coreana, de Seul
Sua cantora favorita é a Ariana Grande
Seus filmes e séries favoritos são “Lilo & Stitch”, “The Good Place”, “Lúcifer”, “Você” e “La La Land”
Seus atores favoritos são Eddie Redmayne, Benedict Cumberbatch e Ryan Thomas Gosling
Seus pratos favoritos são pão, macarrão e arroz: carboidratos em geral
Seu hobbie é assistir “Netflix” e cantar do jeito que vem à cabeça
Seu talento especial é tocar flauta.

Fatou

25 anos
Senegalesa, de Yoff
Seus cantores e grupos favoritos são SHINee, Beyoncé, Girls’ Generation, Nicki Minaj e Kid Milli
Seus animes favoritos são “Naruto”, “Demon Slayer” e “Black Clover”
Seus filmes e séries favoritos são “Harry Potter”, “Bad Boy”, todos da Marvel e qualquer filme de terror
Na sua playlist, não pode faltar “Bloo”, Downtown Baby e “Rich Sex”, Nicki Minaj
Seu ator favorito é o Will smith
Seu prato favorito é frango frito
Seu hobbie é compor, explorar novos lugares (o que não é possível agora, por causa do coronavírus…), meditar e se conectar com o universo
Seu talento especial é ficar o dia inteiro deitada na cama, sem mover um único dedo.

Judy

25 anos
Sul-coreana
Suas cantoras favoritas são IU, Rosé e Taeyeon
Seus filmes favoritos são “A Viagem de Chihiro”, filmes românticos, de crimes e suspenses
Na sua playlist não pode faltar “Brain” e “Change”, Banks e “Art Deco”, Lana Del Rey
Seu ator favorito é o Dong Uk Lee
Seu prato favorito é tteokbokki (bolinho de arroz coreano), sushi e comidas apimentadas
Seu hobbie é assistir a mukbangs (vídeo virais de pessoas comendo na internet)
Seu talento especial é tocar piano

Leia

19 anos
Brasileira, de Curitiba
Seus cantores e grupos favoritos são BLACKPINK, Tinashe e Demi Lovato
Seu anime favorito é “Full Moon o Sagashite”
Seu drama favorito é “Hell Is Other People”
Seu filme favorito é “Forrest Gump”
Na sua playlist não pode faltar “Juice”, Lizzo
Sua atriz favorita é Anne Hathaway
Seu prato favorito é Yuk Hoe (carne estilo coreano)
Seu hobbie é assistir filmes e séries, ouvir músicas e conversar com amigos e família
Seu talento especial é o Kiwi, de “Hell Is Other People”

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático