Entrevista exclusiva: BM, do KARD, fala sobre novo álbum, indústria da música e expectativas para a turnê de 2022


  • 23/07/2021 - 19:56
  • Compartilhe:

BM falou sobre inspirações para novo álbum e fez desabafo sincero sobre a indústria da música

A popularidade do KARD no Brasil é incontestável. O grupo já fez três turnês no Brasil, já passou por oito cidades brasileiras, sempre com eventos lotados. O grupo já chegou a dizer que considera o Brasil como seu principal público. Se o KARD está entre os artistas mais queridos do k-pop no Brasil, acompanhar o lançamento do primeiro trabalho em carreira solo de um dos integrantes do grupo é algo que os brasileiros não poderiam deixar de fazer.

O cantor BM, um dos dois meninos do grupo, lançou este mês “The First Statement”, seu primeiro trabalho de estúdio em carreira solo. Para saber mais sobre o projeto, batemos um papo com BM em que ele falou com muita sinceridade sobre sua relação com a música, seus receios sobre a carreira artística e, claro, sobre as saudades que sente do Brasil.

“The First Statement” não é um álbum convencional. O disco foi anunciado em um formato diferente: como um “single triplo”. O álbum trouxe três músicas: “Broken Me”, “13IVI” e “Body Movin’”. Sobre o formato “inédito” para o projeto, ao invés do usual EP ou álbum completo adotado pelo k-pop, BM explica: “É um ‘single triplo’. É bem fora do comum nomear um álbum como um ‘single triplo’, mas eu não sei… eu realmente queria tentar algo diferente. Muitas pessoas ficaram tipo: ‘oi? por que você escolheu esse formato?’. Mas eu só queria que as pessoas soubessem que eu tenho duas outras músicas e que elas soubessem que todas as músicas são muito, muito fortes. Normalmente quando se fala em ‘single’ as pessoas pensam em apenas uma música, então coloquei o ‘triplo’ para as pessoas saberem que tenho outras duas músicas muito fortes”, ele explica.

A estratégia de BM de dar a devida atenção às três músicas do álbum não foi sem fundamento. Cada uma das músicas merece uma atenção diferenciada, por apostar em estilos musicais diferentes. A primeira música divulgada, antes do lançamento oficial de “The First Statement”, foi “Broken Me”. A faixa explora um flerte de BM com o pop rock, com uma abordagem mais melódica. “Sim, é definitivamente melódica. ‘Broken Me’ tem um estilo pop rock e para falar a verdade eu não tive nenhuma referência musical para ela. Eu pedi uma ‘batida’ para o APAX, minha equipe de produtores, eles tinham ‘Broken Me’. Então eu pensei: ‘deixa eu tentar fazer algo com isso’ e deu certo. Todos sentiram a música, todos concordamos que as frases principais da música eram boas. Então rolou. Foi muito divertido, foram muitas emoções. Pudemos desenvolver muito, muito, bem todas as oportunidades que ‘Broken Me’ ofereceu”, BM explicou.

Saindo do pop rock, outro estilo que BM apostou no álbum foi seu som preferido, o hip-hop. O single oficial do álbum é a faixa “13IVI”. O nome (que é dito como “thirteen, I, V, I”, na pronúncia do inglês) parece ser complicado, mas BM explica que o significado por trás de cada uma das letras nesse jogo de palavras tem um significado importante. “’13 representa o ano de 2013, quando eu estava treinando e disse para mim mesmo que eu iria seguir meus sonhos e eu realmente daria tudo de mim em minha carreira, na verdade minha possível carreira, como artista musical. De IVI, cada letra quer dizer uma coisa: I representa ‘eu’ (do inglês), “V” representa visão, os objetivos que eu tracei em 2013, e o I representa ‘eu’, mais uma vez. Então é como se eu dissesse: ‘eu serei aquele que eu imagino ser’. Como se o primeiro ‘eu’ fosse no passado, o ‘V’ dessa visão, e o próximo ‘eu’ fosse o eu de agora. Eu sei que parece confuso mas é exatamente isso que representa”.

“13IVI” é uma música de hip-hop, que aborda questões bem subjetivas sobre a relação do cantor com a música e com a carreira artística. Além da letra e da melodia, BM usou o videoclipe e seus recursos imagéticos para representar a história que queria contar. “(O videoclipe) tem uma história muito forte e é muito subjetiva. A primeira ideia e primeira inspiração que eu tive foi assistindo ao filme ‘V de Vingança’ e nesse filme tem o personagem V, que luta por justiça em um país corrupto e eu amei essa ideia. Eu amo essa ideia de lutar por aquilo que você acha que é certo, de lutar pelo que você acredita. É uma justificativa! Pra mim, esse é o meu papel como artista da música”, explica. 

Discursando sobre os significados por trás das imagens representativas do clipe, BM também fez um desabafo sincero sobre suas concepções sobre a indústria da música. “Vocês sabem quantas cobras existem na indústria da música. Pensando sobre o segundo verso de ’13IVI’ eu percebi o quanto eu aprendi no processo (da minha carreira) sobre mentiras e manipulação. Eu não estou dizendo que minha empresa fez algo de errado comigo ou que tenham sido ruins de alguma forma. Eles sempre me deram amor e apoio, mas vocês sabem… nessa indústria você vê muitas coisas, você encontra pessoas no caminho que fingem gostar de você, que fingem te apoiar, que tentam de ajudar apenas para se beneficiar e para ganhos pessoais. Ser torturado no vídeo, estar amarrado, são como representações de mim sendo pressionado enquanto artista. Isso não tem nada a ver com minha gravadora, é mais algo relacionado à questões minhas e das minhas habilidades. Então vocês podem perceber as correntes e a tortura como uma representação minha sendo encurrulado como artista. Mas encurralado por mim mesmo. Eu preciso melhorar, preciso aprender mais, preciso seguir meu objetivo da melhor forma que eu puder. Quando eu me libertar dessas correntes vai ser quando eu realmente, realmente vou começar a mostrar diversidade e vou mostrar um pouco mais das minhas habilidades. E no final do vídeo eu estou no alto de um heliponto, que é uma representação minha no topo em que eu quero chegar. Para onde, em meu objetivo, eu devo estar”, o cantor conclui a explicação.

Além do pop rock e do hip-hop, BM também apostou em um estilo musical que fez muito sucesso dos anos 90, o house, estilo de música mais voltado para o eletrônico. “‘Body Movin” é definitivamente uma música diferente do que pensei para ‘Broken Me’ e ’13IVI’. Quando eu recebi a ‘batida’ dessa música, eu fiquei muito animado pois ela soou incrível. Eu adorei a seleção que foi feita para seu ritmo e eu amei a música e o clima que ela passa… Então eu quis tentar, eu não tinha muitas expectativas de que ela entrasse no álbum mas eu queria fazer algo com ela. Quando terminei a música, eu quis logo gravá-la. Minha equipe me deu muito apoio e disse: ‘eu acho que você deveria lançá-la! Ela é pop, tem algo que está na moda, tem um clima bom… então por quê não lançá-la?’. Eu falei com minha gravadora, perguntei o que eles achavam e eles também concordaram. Eu acho que a influência começou com a batida que o APAX fez e eu não tinha nenhuma expectativa de lançá-la no álbum. É uma música muito sexy, muito melódica e dançante”, ele explica. “Eu quero ouvir ela nas baladas quando as boates reabrirem”, BM confessa.

Com essa diversidade musical, ficamos curiosos sobre as influências musicais que BM traz, desde sua infância e adolescência nos Estados Unidos. “Meus ídolos na música são pessoas como Tupac (Shakur). J.Cole também é um grande ídolo pra mim. Eu também escutava muito Linkin Park quando eu era mais novo. Apenas hip-hop e muito hip-hop também. Rock e hip-hop são os maiores pra mim, mas o rock está em um lado mais alternativo e o hip-hop é tipo, de tudo e mais um pouco. Mas dentro do hip-hop que eu ouço, fui muito influenciado por J.Cole e muito do Tupac”, ele conta.

Com essa mistura de gêneros musicais, BM explica que “The First Statement” é produto de um interesse seu em mostrar ao público sua veia artística: “Eu queria que as pessoas recebessem esse álbum tendo três músicas que mostrem não apenas o BM como um artista que se apresenta e produz, mas também um BM como um artista que tem diversidade musical. Tem uma música no estilo house, tem uma música de hip-hop e uma música voltada para o rock, então eu coloquei vários tipos de emoções nesse álbum. Então eu realmente, realmente, espero que vocês escutem e gostem”. Do álbum, BM já lançou videoclipes para “Broken Me” e “13IVI”. Perguntamos para ele se, por ser o álbum um “single triplo”, teríamos também atividades de divulgação para a sexy “Body Movin’”. “Por agora não temos nenhum plano de promover ‘Body Movin’, mas devemos lançar um desafio do TikTok em breve. Eu acho que é uma música que vai se sair muito bem no TikTok”, ele antecipa.

BM optou por falar em seu álbum sobre questões relacionadas a sonhos e luta por seus objetivos. Por meio de mensagens positivas, ele diz que espera que suas músicas possam empoderar seus fãs, especialmente em um momento de tantas dificuldades. “’13IVI’ antes de qualquer coisa é uma música sobre ter confiança em ser o melhor que você ser, em seguir seus objetivos para ser o melhor que você pode e alcançá-los. Com a pandemia temos que trabalhar com o que temos. As coisas podem desacelerar muito, mas não podemos parar. Temos que engatinhar, seguir em frente e tentar construir novamente o que perdemos. Então eu acho que a melhor coisa é tentar se manter positivo e até mesmo agressivo em direção aos seus sonhos”, ele acredita.

Aproveitamos a conversa para conversar sobre a relação de BM com o Brasil. Essa história, que se consolidou com as turnês do grupo no país, vem da família do cantor. O pai de BM morou durante muito tempo no Brasil. Perguntamos então para o cantor como seu pai se sente ao ver seu filho sendo tão bem sucedido no país onde ele morou durante tanto tempo. “Para ele foi uma surpresa. Ver que pessoas de todos os cantos do país amam o KARD e amam o BM, é algo que deixa ele muito feliz. Eu pude aprender muito com isso. Sobre a cultura das pessoas, o amor pelo país, muito amor e afeto. A questão é que todo mundo por aí é tão legal, tão cheio de sorrisos e boas energias e isso diz muito sobre coisas sobre meu pai que eu não entendia antes. Ele é um homem muito amável, e ele é muito esforçado no que ele faz”, BM confessa. “Meu pai tem uma relação muito próxima com o Brasil. Ele foi para o Brasil quando tinha 11 anos e fez faculdade em São Paulo também. Então para ele é algo que traz muito orgulho porque ele tem uma história com o Brasil”, ele nos conta.

BM também disse o que aprendeu com suas visitas ao Brasil. “Eu acho que é definitivamente ser menos preocupado. Eu sei que todo mundo tem seus problemas e seus dias ruins, mas quando eu vejo os fãs do Brasil eu me sinto tão confortável. Eu sinto tanto amor, tantos sorrisos, tantas palavras de apoio que eu penso: ‘vá devagar, não se preocupe e viva a vida como ela é’. Sorriso e amor é tudo que os fãs brasileiros me dão”, BM fala sobre sua percepção sobre os brasileiros.

BM já tem retorno marcado para o Brasil com o KARD. A turnê, que deveria ter acontecido em 2020, foi adiada três vezes por conta da pandemia do coronavírus. Assim como os fãs, BM espera que com o avanço da vacinação a turnê possa finalmente ser realizada em julho de 2022. “Eu rezo muito para que o Brasil supere a pandemia da melhor forma possível. Eu mal posso esperar para ver vocês de novo e espero que seja em julho de 2022. Minhas expectativas pessoais para essa turnê é me divertir e compartilhar momentos em que cada pessoa olhe para trás e apenas perceba que teve a melhor experiência em um show que poderia ter. Eu quero que os fãs sintam-se bem. É tudo que eu quero. Eu quero que meus fãs fiquem menos estressados e levem para si a energia que nós mostrarmos no palco, para que possamos viver uma vida mais feliz e positiva”.

Perguntamos também para BM do que ele sente mais falta do Brasil, além é claro de seus fãs. Quem conhece o BM não vai se surpreender com a resposta: “Ah, cara. O que eu sinto mais falta além dos meus fãs é a comida! Meu Deus! Eu amo a comida brasileira. Eu amo pão de queijo! Eu amo muito pão de queijo! Eu amo churrasco brasileiro! Eu amo paçoca! Eu amo guaraná! Eu mal posso esperar para comer tudo isso de novo. Eu vou comer muito de tudo isso! Eu ganhei muito peso na última turnê, falando nisso”, disse com sinceridade.

Por fim, BM mandou um recado para seus fãs, especialmente para aqueles que têm aguardado ansiosamente pela turnê do KARD no Brasil. “Para todos os novos fãs e para os fãs mais antigos também, se você estava esperando por nós em 2020, por favor, por favor, tenha certeza de que iremos nos ver de uma forma que faça valer a pena. Será um ótimo show e mal posso esperar para cantar as músicas velhas, as músicas novas e tudo para vocês. Então por favor, por favor, fiquem empolgados. Eu sei que já faz muito tempo, mas fiquem empolgados pois iremos construir boas memórias juntos na próxima turnê. Nós amamos muito vocês e mal podemos esperar para vê-los de novo. Estou sempre agradecido pelo apoio!”, disse BM. “Muito obrigado”, disse, em português.

Clique para ler essa e outras entrevistas exclusivas

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático