Entrevista exclusiva: Ciipher conta quais conselhos recebeu de Rain e diz que quer “se tornar influência no k-pop”


  • 13/08/2021 - 18:41
  • Compartilhe:

Ciipher, grupo criado sob a batuta do astro Rain, falou sobre ambições para a carreira no k-pop

São diversos grupos que surgem a todo momento no k-pop que, para conseguir destaque logo na estreia, é preciso ter algum diferencial. Muitos desses casos acontecem por conta da gravadora – artistas de grandes empresas já chegam chamando a atenção. O Ciipher pode ser considerado como um desses casos – eles não fazem parte de uma das “Big 3”, as três grandes empresas consideradas como as maiores do k-pop, mas fizeram sua estreia no k-pop apadrinhados por um dos maiores astros da música pop coreana.

Tan, Hyunbin, Hwi, Keita, Tag, Dohwan e Won integram o Ciipher, grupo que fez sua estreia em março deste ano pela Rain Company, empresa de ninguém mais, ninguém menos, que o superastro do k-pop Rain. Essa não é a primeira vez que Rain lança um grupo sob sua batuta – o MBLAQ, lá em 2009, também foi lançado sob as orientações do cantor. Mas o Ciipher é o primeiro artista contratado por Rain para sua nova gravadora e também o primeiro grupo da nova geração do k-pop conduzido pelo astro. 

“Para mim ele é um mentor. Aprendi tudo sobre ser um artista com ele”, diz Tan sobre Rain. O integrante Hyunbin conta que o astro “sempre os encoraja” e os “diferencia de outros artistas’. “Ele diz que devemos ser naturais e sempre acreditar que podemos fazer qualquer coisa”, ele conta. Para Hwi, o diferencial de ser o “grupo apadrinhado por Rain” é que o cantor os ensinou “a valorizar o caráter em primeiro lugar”. “Ele também me disse muitas vezes para sempre cuidar das pessoas ao meu redor e ser educado”, disse o jovem artista, que menciona também a importância sobre os aprendizados que tiveram sobre como cativar o público e aparecer em público. “Isso me ajudou a ficar mais à vontade em frente às câmeras”, disse Hwi. Dongwan concorda: “Ele sempre me fala sobre ser sempre modesto e me deu dicas de como interagir com a câmera e relaxar no palco”.

Sobre o aprendizado com o artista, Keita diz que “aprendeu que é possível alcançar os objetivos se soubermos esperar pelo momento certo”. Tag acrescenta também que Rain é para o grupo como um “professor, um irmão e uma força”. Outro diferencial citado por Won é a liberdade artística proporcionada pelo astro do k-pop: “É ótimo que ele tenha acompanhado a nossa estreia e nos orientado. E acho que a diferença é que podemos escrever e produzir nossas músicas”.

O Ciipher fez sua estreia com EP “I Like You”. A faixa-título tem letra escrita por Tag e Keita. Os integrantes do grupo também aparecem nos créditos das b-sides do álbum, algo que não é muito comum entre artistas iniciantes no k-pop. “É uma música sobre gostar de outra pessoa. É também sobre ser confiante em comparação aos outros”, apresenta Tag. “Eu espero que as pessoas possam se sentir bem após escutar a música e pensar que ela é diferente das outras”, complementa Keita, o outro letrista da canção.

A dedicação dos integrantes do Ciipher, não apenas como intérpretes, mas também como letristas e compositores, mostra que é possível dar espaço para jovens artistas do k-pop se expressarem mais artisticamente. Apesar de serem novatos no mundo do entretenimento, a música tem acompanhado os integrantes desde muito jovens. “Eu cresci admirando estrelas do k-pop na TV desde que eu era criança”, disse Hyubin. Keita conta que tem treinado para ser um artista do k-pop desde o 6º ano do ensino fundamental. Para Hwi e Won, a inspiração para se tornar um artista do k-pop veio de outras lendas do gênero. Hwi decidiu se tornar um cantor quando viu uma apresentação do EXO na TV, enquanto Won sonhava em ser artista quando via apresentações de G-Dragon.

Antes da estreia, alguns dos integrantes do Ciipher chegaram a passar por programas de competição musical. Tan participou do “NO.MERCY”, reality que formou o grupo Monsta X. Hyunbin competiu no “Produce X 101”, do qual saíram vencedores os ex-integrantes do grupo X1. Dohwan e Keita competiram no “YG Treasure Box”, junto com os atuais integrantes do TREASURE, enquanto Won participou do “Under Nineteen”, que lançou o 1THE9, da qual ele chegou a fazer parte. “Aprendi muito ao promover com o grupo 1THE9. Tive muitas experiências naquela época”, ele lembra.

As várias experiências daquela época me fizeram crescer ainda mais, e acho que ganhei conhecimento para passar por momentos difíceis”, disse Hyunbin. Keita disse que passou a se “conhecer melhor” durante o período de competição e aprendeu a reconhecer seus “pontos fortes e fracos”. Donhwan e Tag concordam e acham que participar desse tipo de competição musical contribuiu para que eles aprimorem suas habilidades e experiências no palco. “Cheguei mais preparado”, disse Tag.

Após a aguardada estreia no Ciipher, os meninos contam que precisaram lidar agora com novas dificuldades. “Eu achei que me sentiria bem à vontade e relaxado no palco, mas ainda me sinto um pouco desconfortável e nervoso. Ainda tenho que trabalhar muito”, disse Hwi. “Há mais coisas com que me preocupar e para preparar do que pensei, e há coisas difíceis. Mas eu nem acredito que estou fazendo isso que eu sempre sonhei em fazer”, comenta Hyunbin.

“Tem muitas coisas para se prestar atenção quando se está no palco. Eu pensava que bastava praticar canto e dança”, fala Dohwan, com sinceridade. “É muito mais difícil do que eu imaginei. Eu sinto como se precisasse me esforçar mais. Mas me sinto feliz! Sinto que amadureci!”, confessa Keita.

Esse caminho até a estreia teve um outro dificultador, comum a todos os grupos lançados desde o ano passado: a pandemia do covid-19. “Era bem desconfortável sair para comer e treinar separado dos outros integrantes”, relembra Hwi. “É uma pena que não tivemos a oportunidade de encontrar nossos fãs pessoalmente ainda. Espero que essa situação melhore o mais rápido possível”, lamenta Tan. “Tem muitas coisas que não pudemos fazer por causa do coronavírus. Queremos viajar para fora, mas é uma pena”, comenta o japonês Keita. “Mas a situação vai melhorar e assim que possível eu quero conhecer os fãs pessoalmente”, fala Won com otimismo.

Em meio às dificuldades do treinamento durante a pandemia, os rapazes contam que os conselhos de Rain, mais uma vez, ajudaram a prepará-los para o que viria. Os cantores relembram sobre os conselhos que receberam do astro. “Sempre tenha fé e confie em mim. Trate sempre bem todas as pessoas assim como você gostaria de ser tratado”, Donhwan cita as palavras do veterano. “Primeiramente devemos ter humildade e em segundo lugar humildade também”, lembrou Tag. “Mesmo se você falhar, você pode ter sucesso. E o café da manhã será servido às 7h”, brinca Tan. 

“I Like You” segue como único trabalho, até o momento, na discografia do Ciipher. Os rapazes dizem estar “se preparando muito” para suas próximas músicas. “Espero poder mostrar a vocês um Ciipher mais maduro”, disse Tag, sem dar spoilers. “Estamos praticando muito para apresentar um bom trabalho para vocês”, acrescenta Hyunbin.

Enquanto não há previsão para o lançamento do novo álbum do Ciipher, os meninos contam sobre suas ambições para o grupo. Perguntamos onde eles esperam estar daqui há cinco anos, tempo que muitas vezes é determinante na carreira de um grupo do k-pop. “Billboard!!!”, disse Keita imediatamente. “Não posso prever o futuro, mas quero que o Ciipher lidere o k-pop como muitos dos grupos mais experientes que lideram o k-pop atualmente”, disse Tan. Hyunbin concorda com o colega: “Eu gostaria que os sete integrantes do Ciipher sejam reconhecidos pelos seus talentos e possamos ser uma influência no k-pop”. Dohwan também compartilha da ambição dos colegas: “Quero que sejamos um grupo que venha à cabeça das pessoas quando se fala de k-pop”. Já Hwi falou com mais modéstia: “Eu quero ser um artista que entregue o meu melhor e me sinta muito à vontade e confortável no palco, bem mais que agora”.

Além dos planos para o destaque na carreira, Hyunbin também diz que “gostaria de se apresentar no Brasil o mais breve possível”. “Assim que a pandemia acabar, quero encontrar vocês pessoalmente e compartilhar com vocês nossa energia”, completa Keita. “Agradecemos sinceramente aos fãs brasileiros que nos apoiam mesmo de longe, e iremos retribuir com melhores músicas e apresentações! Depois que a pandemia passar, eu definitivamente quero fazer um show no Brasil”, disse Tag. “Muito obrigado por sempre nos apoiar mesmo de longe e espero que possamos nos conhecer em breve”, finaliza Won.

Clique para ler essa e outras entrevistas exclusivas

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático