Entrevista exclusiva: MCND fala sobre influências no k-pop e promete visita ao Brasil


  • 18/01/2021 - 17:47
  • Compartilhe:

MCND lançou recentemente o EP “MCND Age”, com o single “Crush”

O MCND é um dos novos grupos masculinos mais promissores do k-pop: o grupo, formado por Castle J, BIC, Minjae, Huijun e Win, começou sua carreira no ano passado e já tem em sua bagagem três EPs, com singles de sucesso como “Ice Age” e “nanana”. Seu novo trabalho, “MCND AGE”, que trouxe o single “Crush”, foi lançado no início do mês e deu início ao ano de 2021 com o pé direito. Em entrevista exclusiva à Highway Star, os integrantes do MCND falaram sobre suas influências musicais, sobre o que gostariam de conhecer no Brasil e muito mais.

O MCND é a nova aposta da gravadora Top Media. A empresa, fundada por Andy, do grupo veterano do k-pop Shinhwa, já lançou grupos como Teen Top, UP10TION e 100%. O nome do grupo significa “Music Creates New Dream”, ou em bom português, “a música que cria um novo sonho”. Jovens artistas, os integrantes do MCND relembram quando o sonho da música chegou em suas vidas. “Meu sonho em ser cantor começou quando eu estava no 4° ano!”, relembra Castle J. “Eu comecei a dançar aos sete anos, acho que foi quando comecei a pensar em ser cantor”, conta o precoce BIC. Seu colega Minjae diz que também decidiu seguir na carreira artística quando começou a dançar, ainda criança. Huijun, por sua vez, disse que sua paixão pela carreira artística chegou com força total quando ele já era trainee. “Eu fui a um show quando era trainee. Ouvir os fãs gritando pelo artista me fez sonhar ainda mais alto”, relembra. Win também teve certeza de sua escolha quando já estava treinando para o grupo: “Treinando cada vez mais, o meu objetivo de me tornar um cantor ficou ainda mais definido!”, ele nos contou.

O quinteto começou sua carreira no atípico ano de 2020, que fez com que o mundo inteiro precisasse se adaptar à pandemia do novo coronavírus. Devido às medidas de distanciamento social, mesmo tendo já quase um ano de carreira, até hoje o MCND não se apresentou para seus fãs. “Ficamos tristes em não poder ver os fãs, mas tentamos pensar positivamente, considerando que essa é uma experiência que não pode ser vivida em outro momento”, ponderou BIC. “Estamos nos incentivando bastante uns aos outros para que não nos cansemos desta situação”, acrescentou Huijun.

“Quero me encontrar com os GEM. Vamos todos nos ver com muita saúde!”, disse Castle J, citando o nome do fã-clube do MCND.

O MCND pode ser considerado um grupo de adolescentes. O mais velho, Castle J, tem apenas 21 anos. BIC, o segundo mais velho, tem 19 anos, enquanto os demais sequer completaram a maioridade: Minjae e Huijun têm 17 anos e o caçula Win acabou de completar 16 anos. Quando os integrantes  do grupo nasceram, no início dos anos 2000, grupos hoje lendários do k-pop já estavam em atividade. Crescer em meio ao sucesso do k-pop ajudou a moldar as influências dos rapazes. “Todos os veteranos do k-pop são meus exemplos de vida!”, confessa o caçula do grupo. “Eu ouvia bastante a música dos veteranos do Infinite, TVXQ e Teen Top”, conta BIC. Castle J relembra que também sonhava em ser cantor vendo as apresentações de seus colegas de gravadora, do Teen Top. “Eu achava incrível a música ‘GOOD BOY’ do G-Dragon e Tae Yang”, Minjae relembra o clássico da dupla de integrantes do BIGBANG. Já Huijun nos contou que “ouvia bastante as músicas do Block B”.

Mas as influências do grupo não são apenas no k-pop. Dançarino principal do grupo, BIC diz que admira muito o trabalho do dançarino norte-americano Chris Martin. “Gosto muito dele e acho incrível”, conta. 

Antes do MCND, Minjae e Huijun já se apresentaram como uma dupla em um programa de competição musical. “Quando participei pela primeira vez nesses programas de audição eu ficava muito nervoso. Hoje acho que foi graças a essa experiência que melhorei na dança e canto”, conta Minjae. Huijun concorda com o colega e acrescenta que “conseguiu crescer bastante” com as experiências antes do grupo.

Apesar de serem tão jovens, Win aponta que isso pode ser uma das qualidades do grupo. “O maior ponto positivo é a energia! Posso passar essa energia e felicidade graças à minha idade!”, disse. Tanta disposição é fundamental para os integrantes do MCND, que precisam dividir seu tempo entre a carreira artística e os estudos: “quando estamos em época de atividades, não poder frequentar a escola me faz falta”, confessou Minjae. BIC disse que o grupo tem assistido a aulas virtuais, o que tem deixado seu dia a dia menos cansativo. “Como estou em uma escola de artes é muito bom, porque consigo trabalhar com música na escola também”, conta Win. Huijun, que ainda também tem que dividir seu tempo entre a carreira e os estudos, garante que se esforça ao máximo nas duas atividades.

As músicas do MCND apresentam melodias muito dançantes e empolgantes, que misturam trechos cantados em rap, com fortes influências do hip-hop, com versos mais melódicos cantados pelos vocalistas. Um belo exemplo é a nova dos rapazes, “Crush”. O toque pessoal nas canções do grupo é dado pelo líder Castle J, que contribuiu para três faixas do novo EP, inclusive para a faixa-título. “Dêem muito amor a ‘outro; MCND’, ‘PLAYER’ e ‘Crush’ deste álbum”, pediu o compositor.

Para os vindouros discos, Castle J diz que gostaria de tentar “algo grandioso”. “Podem aguardar, porque está cheio de músicas especiais”, antecipa BIC sobre os próximos trabalhos do grupo. Já Minjae, Huijun e Win gostariam de apostar mais no hip-hop: “Quero mostrar o nosso charme com uma música estilo hip-hop que mostre bem a cara do MCND”, disse Win. 

Aproveitamos a conversa também para perguntar o que o MCND gostaria de conhecer aqui no Brasil: “Gostaria de conhecer o Cristo Redentor. Só vi pelas fotos, então fiquei bem curioso”, disse o líder Castle J. “Gostaria de conhecer Foz do Iguaçu”, disse Huijun. Win, por sua vez, disse que gostaria de conhecer mais sobre a capoeira. “É o que eu lembro quando penso no Brasil. Achei bem interessante a ‘competição’ que parece uma dança!”, conta o caçula. Já BIC disse que quer conhecer mesmo são seus fãs no Brasil: “vamos nos ver assim que a pandemia acabar!”, prometeu.

“Nós também queremos conhecê-los! Gostaria de ver vocês com bastante saúde! Esperamos poder nos encontrar o quanto antes para podermos nos divertir. Amo vocês sempre, nossos GEM!”, disse carinhosamente o líder do grupo para os fãs brasileiros que gostariam de conhecê-los. “Obrigado sempre pelo apoio. Quero conhecê-los logo!”, disse Huijun. “Vamos treinar bastante para podermos mostrar boas apresentações”, acrescentou Minjae.

“O Brasil é o país mais longe da Coreia e gostaria de ir até aí para poder ver vocês do palco! Assim que a pandemia amenizar, iremos ao Brasil para poder mostrar as nossas performances!! Espero que isso seja possível em 2021!!”, completou Win.

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático