Entrevista exclusiva: ONE N’ ONLY fala sobre danças brasileiras no TikTok: “sentimos um ritmo que o Japão não tem”


  • 04/06/2021 - 15:00
  • Compartilhe:

Conversamos com o ONE N’ ONLY, grupo japonês que arrasa nas coreografias brasileiras no TikTok

Se você é daqueles que se rendeu ao sucesso do TikTok, provavelmente você já se deparou por lá com algum vídeo do ONE N’ ONLY. O grupo japonês conquistou o público do Brasil dançando vários hits da nossa música na rede social. “Senta com Amor”, de MC Kevinho e Zé Felipe; “Recairei”, de Os Barões da Pisadinha; e “Cansar Você”, de Luísa Sonza e Thiaguinho, são apenas algumas das músicas brasileiras que o grupo já apareceu dançando no TikTok.

“Um dia conversamos sobre não dançar apenas músicas japonesas mas também tentar dançar músicas populares de outros países, já que o TikTok está disponível para todo o mundo. Então quando dançamos uma música brasileira por lá, vimos que muitas pessoas gostaram, então percebemos o quanto a música brasileira é interessante. É diferente das danças japonesas, as danças brasileiras são divertidas e sensuais com uma melodia única”, explica Kenshin, um dos integrantes do grupo pop, sobre a origem do interesse pelas músicas e danças do Brasil. Mas quem conhece o grupo para além do TikTok sabe que o ONE N’ ONLY é um daqueles artistas que vale a pena acompanhar.

O ONE N’ ONLY é formado por seis integrantes: os vocalistas Tetta, Rei e Eiku e os dançarinos e rappers Hayato, Kenshin e Naoya. O grupo se apresenta como uma banda de “vocais e dança”, por essa divisão bem definida entre quem canta as partes mais melodiosas das músicas e quem faz os raps e assume a posição de dançarino.  “Vocalistas expressam a beleza da música por meio de sua voz, mas os dançarinos fazem isso por meio de seus passos de dança. A forma de se expressar é diferente, mas acreditamos que o propósito seja o mesmo”, explica Naoya sobre o formato do grupo. 

Mas o diferencial do ONE N’ ONLY não está só na divisão da função de cada um de seus integrantes. A verdade é que o grupo pode ser considerado como um “supergrupo”. Formado em 2018, o sexteto é uma “fusão” de dois outros grupos, o EBiSSH e o Satori Boys Club, ambos da gravadora Stardust Records. As duas bandas, colegas de empresa, fizeram uma turnê em conjunto e daí surgiu a ideia de formar um supergrupo com os integrantes. “Desde o início, o EBiSSH e o Satori Boys Club (SBC) sempre tiveram uma boa relação pois fizemos aulas de dança juntos. Quando queríamos fazer algo diferente para a turnê de 2018, o projeto começou com a ideia de que se o número de integrantes aumentasse, nos tornaríamos mais fortes e as possibilidades para nós também aumentariam. E foi o que aconteceu! Os fãs gostaram então continuamos juntos. O Satori Boys Club (SBC) foi como uma escola. O EBiSSH tinha um estilo mais adulto, com influências do R&B, então a combinação no ONE N’ ONLY trouxe uma mensagem mais forte e músicas mais poderosas. Pensando em tudo isso, eu fico feliz em fazer parte do ONE N’ ONLY”, explica Rei. Em sua formação original, o ONE N’ ONLY também contava com Kohki, que fazia parte do EBiSSH e ficou no grupo até o final de 2019.

A combinação foi acertada não só na convivência entre os rapazes, mas musicalmente. “Category” e “Shut Up! Breaker” são alguns exemplos de músicas em que o ONE N’ ONLY mostra a que veio. Diferente do já conhecido som do j-pop, eternizado por grupos como KAT-TUN e Arashi, o ONE N’ ONLY ajuda a dar uma nova cara ao pop japonês. Com referências mais atuais, que mesclam influência da música ocidental e do k-pop, os músicos afirmam que se classificam como um grupo que traz uma mescla entre o k-pop e o j-pop. “Eu acompanho o ARASHI e o KAT-TUN desde pequeno e sempre admirei eles. No entanto, nessa nova geração, trazemos uma nova musicalidade. Eu acho que temos mais músicas inspiradas em músicas do Ocidente e no k-pop e acho que o j-pop agora tem um estilo de música mais próximo disso. Eu espero que a gente continue cientes de nossas referências para nos tornarmos o primeiro e único artista do ‘JK-POP’, em que nós do ONE N’ ONLY, sejamos reconhecidos nem apenas como j-pop e nem como k-pop”, decreta Kenshin. “A força da nossa música é nosso ponto forte. Temos muitas músicas com mensagens fortes e que cantam sobre nossa sociedade, com melodias intensas, então acho que nosso maior diferencial são mesmo nossas músicas. Eu acho que somos o único grupo que pode se denominar como ‘JK-pop’, como algo que fica entre o j-pop e k-pop”, explica Eiku.

Hayato também cita as referências musicais do grupo, como um dos diferenciais que marcam essa nova fase do j-pop. “Acho que são nossas apresentações impactantes (o maior diferencial do grupo), que não se prendem ao estilo da música ou a gêneros musicais, que mesclam o j-pop com influências da música Ocidental e o k-pop”.

“Acho que é uma questão internacional. Eu acho que o estilo ‘ONE N’ ONLY’ foi criado independente de gêneros musicais para que a música possa chegar a qualquer pessoa, de qualquer país. Acho que isso nos diferencia de outros grupos”, completa Naoya. Se o ONE N’ ONLY não se prende a rótulos musicais, o grupo também busca explorar outras áreas do entretenimento. Naoya, além de fazer parte do grupo, também se rendeu a carreira de ator e protagonizou recentemente o drama Boys Love “His”. No papel de Shun Igawa, o cantor diz que interpretar uma história de amor homoafetivo o ajudou a perceber como o amor e as pessoas não podem ser rotuladas. “‘His’ foi um trabalho importante para mim e tenho um sentimento forte por ele. Por esse trabalho, eu percebi que o amor é algo que não possui forma definida e que pode se enquadrar no formato de qualquer pessoa. E que não podemos nos prender aos padrões para compreender cada pessoa”, ele conta.

Voltando ao ramo da música, a junção entre os grupos deu tão certo que hoje os rapazes nem sequer pensam em retomar as atividades do EBiSSH e do Satori Boys Club, mesmo que como projetos paralelos. “Agora estamos nos dedicando ao ONE N’ ONLY, então não temos planos para novas músicas do EBiSSH ou do SBC”, Eiku deixa claro. Apesar disso, quem acompanha o grupo pode usufruir de outras diferentes possibilidades. Se o ONE N’ ONLY por si só já é um supergrupo, os rapazes também integram o EBiDAN, um conjunto musical formado pelos artistas masculinos da Stardust. Além do ONE N’ ONLY, fazem partes nomes como SUPER★DRAGON, Bullet Train e DISH//. Para os fãs de k-pop, o projeto é algo parecido como quando os artistas da SM Entertainment se unem nos palcos dos eventos da SMTOWN, por exemplo. Perguntamos se os grupos têm algum plano de lançar um álbum juntos e Tetta não descartou a possibilidade. “Não temos planos no momento, mas parece uma boa ideia. Quero tentar algo assim algum dia!”.

Essa nova fase do j-pop, da qual o ONE N’ ONLY é um dos expoentes, não é marcada apenas por uma nova sonoridade. Não é de hoje que a música japonesa, especialmente o pop e o rock, possui fiéis seguidores para além das fronteiras japonesas. Se há décadas o estilo e a música do Japão conseguiram cativar o público, o acesso ao conteúdo desses artistas nem sempre foi o mais fácil. Enquanto países como a Coreia aproveitaram a emergência de plataformas digitais para popularizar seus artistas em nível mundial, o Japão sempre foi mais fechado e por muitas vezes restringiu a visibilidade do conteúdo de seus artistas em redes sociais e plataformas como o YouTube. Essa postura parece estar mudando, com grupos como o ONE N’ ONLY, que sabem usufruir das possibilidades de compartilhamento digital para popularizar seu trabalho. “Eu acho que o crescimento das redes sociais fez com que a cultura exterior se tornasse mais familiar para nós. Eu fico feliz em saber que pessoas de todo o mundo escutam nossa música. Quando publicamos um vídeo no YouTube, tem comentários dos mais diferentes idiomas de pessoas de vários países. Não podemos sair do país agora, mas fico muito feliz de poder me conectar com essas pessoas por meio do YouTube ou do TikTok. Eu definitivamente quero ver os fãs internacionais algum dia. Queremos fazer shows! E quero também saber mais sobre as diferentes culturas. Eu sempre fui interessado em aprender idiomas diferentes, então vou estudar bastante para conversar mais com os fãs estrangeiros e interagir com eles!”, disse Rei. Essas possibilidades do ambiente digital aproximaram o grupo não apenas do público, mas também da música do Brasil. Quando perguntamos o que fez com que o grupo se interessasse tanto por nossas músicas e nossas danças, os rapazes apontaram principalmente as diferenças culturais entre o Japão e o Brasil. 

“São músicas boas! Eu acho que executar uma boa coreografia é um dos prazeres da dança, e acho que as coreografias brasileiras têm muito de dançar de acordo com o que o corpo sente, então decidimos dançá-las também. Foi divertido e nos interessamos ainda mais. Além disso, no Japão as pessoas costumam reproduzir fielmente os passos de dança, e percebemos que no Brasil isso acontece de forma mais livre, então é algo divertido de se ver”, explica Rei. “Quando eu vi pessoas do Brasil dançando músicas no TikTok, sentimos um ritmo que o Japão não tem, então ficamos muito interessados”, complementa Hayato. A alegria típica do brasileiro foi outro ponto citado por Tetta. “As pessoas do Brasil são muito alegres e animadas e os movimentos rítmicos são viciantes e nós queríamos imitar! As danças brasileiras são ótimas!”.

Com tanta proximidade com nossa música, foi inevitável que os integrantes do ONE N’ ONLY passassem a conhecer mais sobre os artistas do Brasil. Eles até arriscam a dizer que já possuem seus preferidos. Tetta e Kenshin citaram os baianos d’Os Barões da Pisadinha como seus favoritos. Kenshin até chegou a mencionar o hit “Tá Rocheda” com uma de suas músicas preferidas dos astros do tecnobrega. “Eu tenho uma música favorita, eu gosto de ‘MDS’, de Kawe & Mc Lele JP! Eu não entendo a letra, mas eu acho incrível a influência da música da black music e foi uma das músicas mais divertidas de dançar no TikTok! Mas gosto de vários outros artistas também!”, disse Rei. Já Hayato foi conquistado pelo hit “Batom de Cereja’ e escolheu a dupla Israel & Rodolffo como sua favorita. “Recentemente, eu tenho ouvido e gostado muito de ‘Nem de Graça’, do Pixote. Quando dancei essa música no TikTok, achei que era uma música boa, então comecei a ouvi-la o tempo todo”, comentou Eiku, completando a diversidade de preferências sonoras do ONE N’ ONLY sobre a música brasileira.

Além de citar seus artistas favoritos, os astros do j-pop também comentam que conseguiram aprender algo com o nosso jeito brasileiro de fazer música e de dançar. “Eu acho que aprendemos a sentir mais a música com nossos corpos. O lado divertido de sentir o ritmo, de sentir a batida. Sentimos a liberdade que o Japão não tem expandindo nossa variedade na música. É um bom lugar para se aprender”, disse Rei. “Vendo os brasileiros, aprendi como é incrível se expressar de forma livre em danças que não são aquilo com o que estamos acostumados”, concorda Hayato.

“Eu senti as batidas por um ritmo que é totalmente diferente do que temos no Japão. O fato de ouvirmos a música e dançarmos pelo que sentimos é muito legal”, acrescenta Tetta. Para Kenshin, além do aprendizado, as músicas brasileiras também servem como uma ferramenta de divulgação de seu trabalho: “Dançando músicas brasileiras, muitas pessoas nos conheceram, então eu penso como o poder da música é incrível. Eu percebo como a globalização está evoluindo ao saber como chegamos a pessoas que estão do outro lado do mundo”.

Se essa relação tornou o ONE N’ ONLY não só próximo de nossa cultura, não podemos esquecer sobre sua proximidade com os fãs brasileiros. Ainda sem poder visitar o Brasil, o grupo conta que já conseguiu sentir um pouco sobre o calor típico do Brasil por meio das mensagens que recebem nas redes sociais. “Eu acho que os fãs do Brasil são muito gentis, pois eles sempre nos mandam bons comentários. Eu fico muito grato pelas palavras e fico muito feliz, mesmo sem entender o português. Eu estou ansioso para ir para o Brasil um dia e interagir com vocês pessoalmente!”, confessa Tetta. “É muito divertido! Sempre que postamos uma coreografia brasileira, sempre tem muitos comentários positivos, então quero encontrar vocês pessoalmente para expressar minha gratidão um dia. Estou estudando português, então estou ansioso para poder conversar com todos vocês!”, completa Rei.

“Eu fico muito feliz lendo tantos comentários! Iremos continuar lançando mais vídeos de dança, então aguardem! Queremos ir em breve para o Brasil encontrá-los! Nos aguarde!”, prometeu Eiku. “Eu fico muito feliz em ler os comentários de pessoas de vários países diferentes. Recebemos muitos comentários especialmente do Brasil e fico querendo ver vocês cada vez mais! Eu fico muito contente com tantos comentários calorosos!”, Hayato fez coro aos colegas.

Naoya confessa que mesmo com a barreira do idioma, tenta entender os comentários que recebe do Brasil: “Eu fico feliz em pensar que conseguimos nos conectar com pessoas com quem normalmente não interagimos. Eu tento traduzir e ler os comentários e sempre fico contente em perceber que são palavras positivas!”. Já Kenshin contou que planeja outras formas de interagir com os fãs pelas redes sociais: “Eu fico feliz por serem sempre comentários calorosos. Eu gostaria de continuar interagindo com vocês, não apenas no TikTok, mas também no YouTube e futuramente com apresentações ao vivo!”.

O trabalho mais recente do ONE N’ ONLY é o single “L.O.C.A”, lançado em janeiro. Sobre os próximos trabalhos, o grupo faz mistério, mas Eiku adianta que o grupo terá novidades “em breve”. Enquanto as inéditas não chegam, o ONE N’ ONLY aproveita todas as oportunidades para falar com seus fãs, especialmente com a gente aqui do Brasil, e promete trazer seu show para terras tupiniquins após o fim da pandemia. 

Obrigado a todos os fãs do Brasil por seu apoio. Estamos conectados mesmo à distância! O mundo ainda está passando por muitos problemas e não podemos ir ao Brasil, mas quando for possível, faremos um show, então queremos ver todos vocês lá! Estou aguardando ansiosamente para encontrá-los!”, disse Kenshin. 

Obrigado por nos apoiar pelo TikTok e por outras plataformas! Iremos para o Brasil algum dia, aguardem!”, prometeu Tetta.

“Aos nossos fãs do Brasil, que estão do outro lado do mundo! Obrigado pelos seus comentários. Graças a rede social TikTok, eu posso me alegrar interagindo com os fãs brasileiros! Eu acho que esse encontro estava em nosso destino! Eu amo vocês! Estou ansioso para conhecê-los pessoalmente”, agradeceu Rei.

Eiku contou que também está curioso para conhecer nossa culinária e nosso país: “Obrigado por sempre apoiarem o ONE N’ ONLY! Eu irei continuar a me esforçar, tendo como objetivo me apresentar ao vivo no Brasil um dia! Eu quero provar as comidas deliciosas do Brasil e visitar os pontos turísticos! Estou ansioso para conversar com vocês pessoalmente. Amo vocês!”

Assim como Rei, Hayato disse que tem planos de aprender melhor nosso idioma. “Obrigado por sempre mostrarem interesse por nós! Iremos nos comunicar com vocês e aprender português para fazer isso ainda melhor, então aguardem! Iremos continuar a dar o nosso melhor!”.

“Quando a situação melhorar, definitivamente iremos vê-los, então por favor nos aguardem. Obrigado por nos enviar tanto amor! Amo vocês!”, finalizou Naoya.

Clique para ler essa e outras entrevistas exclusivas

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático