Gravadora vai processar Park Yoochun, ex-JYJ, por quebra de contrato e difamação


  • 18/08/2021 - 15:36
  • Compartilhe:

Gravadora acusou Park Yoochun de usar dinheiro da empresa para pagar “entretenimento adulto”

O cantor Park Yoochun, ex-integrante dos grupos TVXQ e JYJ, está em disputa com sua gravadora, a empresa Re:Cielo. A agência acusa o artista de quebrar o contrato para assinar com uma empresa do Japão.

Yoochun assinou com a Re:Cielo no início de 2020. Na semana passada, a imprensa japonesa divulgou que o cantor assinou contrato com uma gravadora japonesa, após não receber pagamento de sua empresa coreana.

Em resposta, nesta quarta-feira (18), a Re:Cielo divulgou um comunicado com sua versão da história. A agência disse ter sido criada para “ajudar Park Yoochun a retornar para a indústria do entretenimento”. “A Re:Cielo é uma empresa criada pelo empresário que trabalhou com Park Yoochun desde que ele começou a promover com o JYJ, após a separação do TVXQ (sic)”, informou a empresa.

A Re:Cielo informou que tem como principal acionista a mãe de Yoochun, que segundo a gravadora nunca se envolveu na gestão da empresa, e que seu diretor executivo precisou usar seus recursos pessoais para cobrir os prejuízos da agência.

A empresa também disse que tem permitido que Park Yoochun use o cartão corporativo da Re:Cielo para cobrir custos pessoais, como presentes de luxo para sua namorada e gastos em locais de “entretenimento adulto”. “Como a Re:Cielo ofereceu todo o apoio e recursos financeiros para Park Yoochun, ele conseguiu retomar suas atividades e voltar a lançar álbuns, se apresentar no exterior, participar de filmes e mais. A Re:Cielo resolveu vários problemas dele e fez os pagamentos devidos para as atividades realizadas”, diz o comunicado.

A agência alega que Yoochun tenha quebrado o contrato de exclusividade, ao assinar com uma outra empresa no Japão. “Além de sofrer danos causados pela quebra do contrato de exclusividade, a Re:Cielo está profundamente desapontada, se sentindo pessoalmente traída, e agora também tivemos danos em forma de difamação”, disse a gravadora, que afirmou que contratou um escritório de advocacia para tomar conta do processo.

A advogada Lee Eun Ui, que representa a gravadora no caso, é a mesma que defendeu a mulher que acusou Park Yoochun de assédio sexual em 2016. Yoochun foi inocentado das acusações e processou a mulher por difamação. A mulher foi declarada inocente e o cantor precisou indenizá-la.

Park Yoochun começou sua carreira em 2003, no TVXQ. Em 2009, após entrar com um processo judicial contra a gravadora SM Entertainment ao lado de seus colegas Xia Junsu e Kim Jaejoong, o trio passou a integrar o JYJ. Em 2019, o cantor foi preso por uso de metanfetaminas. Na época, a gravadora do JYJ, a C-JeS Entertainment, encerrou o contrato com Yoochun e ele afirmou que iria se aposentar da carreira artística. No entanto, no ano passado, o artista voltou a fazer eventos e a lançar músicas em carreira solo.

Clique para ler essa e outras entrevistas exclusivas

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático