Imprensa da Coreia do Norte diz que indústria do k-pop promove “exploração análoga à escravidão”


  • 17/03/2021 - 11:51
  • Compartilhe:

Portal da Coreia do Norte teceu duras críticas ao tratamento de artistas do k-pop

Um artigo publicado por um portal de notícias norte-coreano tem chamado atenção pelas críticas ao sistema da indústria do k-pop. O portal Arirang Meari divulgou um texto no último final de semana em que acusa a indústria do k-pop de promover “exploração análoga à escravidão” no tratamento de seus artistas. As informações são da CNN.

O artigo, que cita nomes como BLACKPINK e BTS, diz que os artistas de k-pop são “vinculados a contratos incrivelmente injustos desde tenra idade, presos em um treinamento e tratados como escravos que tiveram seus corpos, mentes e almas roubados por chefes de conglomerados relacionados à artes viciosas e corruptas”, diz o texto.

O portal norte-coreano também fez graves acusações contra o tratamento da indústria às cantoras do k-pop e citou questões relacionadas à saúde mental dos artistas. “Muitas cantoras sofrem humilhações e insultos durante o duro processo de treinamento e são forçadas a atender sexualmente a políticos e empresários. Muitos jovens cantores sofrem grande pressão mental como se vivessem em uma prisão, até mesmo tirando suas próprias vidas, enquanto deixam um testamento que atestam como a vida é sufocante”. O artigo não cita nomes ao mencionar a questão do suicídio no k-pop e não apresenta provas sobre a alegação de abuso sexual contra as cantoras mas cita “outras reportagens” como fonte.

A CNN definiu o artigo como “um provável esforço de propagandistas norte-coreanos para reprimir a mídia estrangeira no país” e citou a censura da capital da Coreia do Norte a produções do entretenimento estrangeiro e o crescente contrabando de pessoas no país para consumir conteúdo do exterior, especialmente em pen drives. “Desertores dizem que norte-coreanos que forem pegos consumindo conteúdo estrangeiro, especialmente da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, muitas vezes enfrentam punições severas”, disse a reportagem da CNN.

A censura norte-coreana a produtos do k-pop e da “onda Hallyu” já foi mencionada em dramas sul-coreanos, como “Doctor Stranger” e “Pousando no Amor”. Em dezembro do ano passado, o governo norte-coreano aprovou uma nova lei que menciona o controle sobre o compartilhamento de conteúdo que não é aprovado pelo governo entre cidadãos e organizações do país. O líder norte-coreano Kim Jong Un deu a entender recentemente que pretende também endurecer o controle da circulação do conteúdo na Coreia do Norte.

Acesse nosso canal no Telegram e receba atualizações sobre o mundo do entretenimento asiático