Internautas chineses criticam BTS após grupo fazer comentário sobre a Guerra da Coreia em discurso


  • 13/10/2020 - 15:19
  • Compartilhe:

O grupo BTS recebeu críticas de internautas chineses após um discurso realizado na última semana, na cerimônia do prêmio “James A. Van Fleet”. As informações são da BBC, desta terça-feira (13).

Na semana passada, o BTS foi homenageado com um prêmio que celebra as relações entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos. A celebração acontece desde 1995 e leva o nome do General James A. Van Fleet, comandante norte-americano que lutou na Guerra da Coreia, na década de 1950. Em seu discurso, o BTS mencionou os 70 anos da Guerra da Coreia e citou “a história de dor que nossas duas nações compartilharam juntas e os sacrifícios de incontáveis homens e mulheres”. Na Guerra da Coreia, os Estados Unidos apoiou o lado sul da península, enquanto o norte recebeu o apoio da China. O prêmio celebra as recentes conquistas da popularidade do BTS nos Estados Unidos.

Após o evento, internautas chineses usaram o Weibo, maior rede social chinesa, para criticar o discurso do BTS, alegando que o grupo omitiu as vidas que foram perdidas também entre os soldados chineses. Segundo a BBC, cerca de 200 mil soldados sul-coreanos e 36 mil soldados norte-americanos morreram durante a Guerra da Coreia e a imprensa chinesa apontou que cerca de 180 mil soldados chineses também perderam a vida na disputa.

Entre as críticas, o discurso do BTS foi considerado “parcial” e feito apenas para “agradar” o público norte-americano. “O BTS não deveria vir ganhar dinheiro na China. Se eles querem arrancar dinheiro de fãs chineses, deveriam ter alguma consideração pelo sentimento dos chineses também”, escreveu um internauta no Weibo.

Após o assunto repercutir, anúncios estrelados pelo BTS de várias empresas, como Samsung, Fila e Hyundai, foram retirados de seus respectivos portais na internet na China. No entanto, não há confirmação por parte das empresas que a retirada dos anúncios esteja relacionada com a polêmica.

O assunto ganhou visibilidade também na política e o vice-diretor do Departamento de Informações do Ministério das Relações Exteriores da China se manifestou, tentando “acalmar os ânimos”. Segundo Zhao Li Jian, todos deveriam “aprender com a história e olhar para o futuro, valorizar o amor e a paz e promover a amizade”. “Esses deveriam ser nossos objetivos comuns”, disse.

No Weibo, a página do BTS reúne cerca de 5 milhões de seguidores do grupo e ainda não é possível mensurar se a polêmica terá real impacto na popularidade do grupo no país. Enquanto isso, o septeto atingiu outro marco de sua popularidade nos Estados Unidos, ao emplacar mais uma música no topo da Billboard, principal termômetro da popularidade de uma música no país.