Minah, ex-ILUV, publica mensagem de despedida e é salva por policial


  • 16/07/2020 - 14:36
  • Compartilhe:

A saúde mental de artistas de k-pop é um assunto que tem sido muito discutido, mas não tem recebido a atenção necessária por parte das agências de entretenimento na Coreia do Sul. Na última quarta-feira (15), mais uma vez o assunto voltou a causar preocupação. Após publicar uma carta de despedida no Instagram, a cantora Minah, ex-integrante do grupo ILUV, foi salva de uma tentativa de suicídio. Minah relatou o assunto em um vídeo publicado no YouTube.

No vídeo, Minah conta que se dirigiu até uma ponte do Rio Han, em Seul, segundo ela, “com pensamentos ruins”. Ela contou que foi salva por um policial. Minah agradeceu ao profissional e mencionou que ele é primo do cantor Taemin, do SHINee.

Após publicar o vídeo, fãs demonstraram apoio a Minah pelas redes sociais com mensagens de encorajamento.

Minha entrou para o ILUV em 2019 e chegou a promover com o grupo a música “Open The Door”, antes de deixar a banda. Após divulgar o vídeo no YouTube, em uma postagem no Instagram, Minah compartilhou que deu uma pausa na carreira por sofrer de depressão, síndrome do pânico e insônia, devido a problemas com a empresa que gerenciava o ILUV, a WKS ENE, e com suas ex-colegas de grupo. Para fãs, Minah compartilhou mensagens em que conta que sofreu abuso físico e psicológico das integrantes do ILUV e da empresa. Pela rede social, ela disse que conseguiu encerrar o contrato com a gravadora por meio de uma ação judicial.

A WKS ENE emitiu um comunicado para a imprensa coreana em que nega as acusações. A empresa afirmou que estaria reestruturando o grupo ILUV e que Minah não teria participado da seleção por “questões de saúde”, então lhe foi oferecido um álbum solo. Em resposta, Minah reafirmou que sofria bullying das outras integrantes e que isso lhe trouxe danos psicológicos. “Todos sabiam que eu estava passando por um período difícil por causa delas”, Minah escreveu no Instagram. “Eu nunca ouvi falar em um álbum solo. Parem de mentir”, afirmou.